Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/11/20 às 18h11 - Atualizado em 2/11/20 às 18h11

A largada do Sertões 2020 foi dada nessa segunda-feira pela embaixadora do Rally

COMPARTILHAR

 

Após três dias na capital federal, carros e motos da maior competição das Américas seguiram para a próxima bolha, em Goiás. Corrida está sendo realizada em formato de bolhas pelo interior do Brasil

 

O Rally dos Sertões, maior competição das Américas, se despediu de Brasília nesta segunda-feira (01/11). A bandeirada para a largada da nova etapa foi dada pela secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, embaixadora da corrida em Brasília. Os carros, motos e UTVs seguiram para a próxima bolha, localizada em Goiás.

 

A parceria entre Rally dos Sertões e a capital federal garantiu a montagem de uma estrutura segura para pilotos, organizadores e equipes de apoio na primeira das oito “bolhas” previstas ao longo dos quase 5 mil quilômetros da competição.

 

Dentro da bolha, o tradicional clima de descontração em meio ao intenso trabalho de recuperação dos carros e da parte física dos pilotos. Três nomes conhecidos fora do universo do rally marcaram presença nos boxes: o DJ Alok, que partiu de Brasília em uma participação especial na primeira “perna” da Etapa Maratona ao lado do navegador Armando Miranda a bordo do UTV Can-Am Maverick X3 da equipe Varela; o piloto Rubens Barrichello, que assume o volante do bugão V8 da equipe RMattheis e vai disputar três etapas em sua estreia no Sertões; e o piloto brasiliense Nelsinho Piquet, que conduziu uma carreata, no domingo, pelas ruas e cartões-postais da cidade.

 

A secretária Vanessa Mendonça afirma que a passagem do rally por Brasília reforça a imagem de uma cidade estruturada e destino seguro. “Os pilotos estão deixando Brasília depois de uma experiência maravilhosa em que a nossa cidade conquistou os olhares, as lentes e o coração de todos os pilotos do Rally. Desde o ano passado, quando nós começamos a elaborar esse momento, nós não tínhamos ideia dos desafios que seriam enfrentados. Mas o nosso governo unido conseguiu superar todos eles e o resultado foi maravilhoso”, disse ela. “Foi muito emocionante a gente poder de influenciar essa loucura que é o rally, esses pilotos incríveis e mostrar, no meio dessa história, os nossos monumentos, as nossas paisagens e circular pelo Eixo Monumental, sentindo, ao final, o quanto eles se emocionaram e ficaram encantados com Brasília”, completou.

 

O Sertões 2020 saiu da Fazenda Velocitta, em Mogi Guaçu (SP) no último dia 30 de outubro e chegará em Barreirinhas (MA) no dia dia 07 de novembro. Já cruzou São Paulo, Minas Gerais e o Distrito Federal, com Goiás, Tocantins e Maranhão pelo caminho. Este ano, excepcionalmente, não haverá chegada às cidades anfitriãs. Toda a caravana se fechará em bolhas – locais isolados, afastados de adensamento.  Esses locais serão mantidos sob sigilo, a fim de evitar aglomeração. Os locais exatos das bolhas só serão revelados aos competidores na véspera. Todos seguirão por uma rota pré-estabelecida e monitorada.

 

Solidariedade

E um ano diferente pediu um Sertões diferente. O maior rally das Américas se transformou no “Rally da Solidariedade”. A missão da 28ª edição é levar acesso à medicina de qualidade e fomento econômico para as comunidades remotas e carentes do Brasil. Assim, a ação social do Sertões foi focada em dois pilares: a instalação de unidades de teleatendimento médico gratuito de qualidade e a aquisição de cestas básicas de pequenos comerciantes locais que serão distribuídas nas regiões a famílias em situação de vulnerabilidade, ação coordenada com o Sebrae em apoio à campanha “Compre do Pequeno.

 

No Distrito Federal, foram distribuídas mil cestas básicas para famílias de diversas Regiões Administrativas dentro da proposta do Sertões, que injetou dinheiro nos pequenos negócios locais e mitigou o impacto da pandemia em famílias de baixa renda. A parte da telemedicina irá beneficiar moradores da capital em especialidades que serão definidas em mapeamento feito pelo Governo do Distrito Federal e pelo SAS Brasil, organização não-governamental ligada ao Sertões.

 

Além disso, um concurso de redação e desenho premiou alunos da rede pública de ensino. A ação teve como temática a solidariedade. Os vencedores do concurso de desenho foram Marília Brandão Beber e Arthur Lopes de Almeida, que receberam uma televisão como prêmio. Na categoria redação, Miguel Bryan Gomes de Araújo e Ana Luiza Silva Oliveira receberam um notebook como incentivo para os estudos.

 

Futuro

O Rally dos Sertões se prepara para se tornar a maior competição off-road do mundo em 2022, quando será comemorado o Bicentenário da Independência. Brasília estará no roteiro da edição especial.

 

A meta, assim como Brasília, é monumental. Serão impressionantes 12 mil quilômetros de prova, pelas cinco regiões do país – literalmente do Oiapoque ao Chuí, cobrindo do Rio Grande do Sul ao Amapá. A metade mais que dobra os cerca de 5 mil quilômetros da edição de 2020.

 

A intenção é que Brasília seja a parada simbólica do Dia 7 de Setembro. “Será um momento muito especial coroar o Sertões como o maior rally do mundo em Brasília, que simboliza o Brasil do futuro e a união de cada traço da nossa brasilidade”, afirma Vanessa Mendonça.

 

Joaquim Monteiro, CEO da Dunas Race, organizadora da competição, afirma que os planos para ampliar o rally estão mantidos, mesmo com um ano de pandemia. “O Sertões é genuinamente brasileiro. Seu DNA é amar o Brasil. Queremos revelar esse país”, afirma.