Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/05/14 às 13h34 - Atualizado em 7/05/14 às 15h30

Brasília terá projeto de gestão do patrimônio inspirado em Cuenca

COMPARTILHAR

A cidade equatoriana foi reconhecida pela Unesco por sensibilizar os moradores para a importância da preservação do Centro Histórico

(Cuenca-Equador)A terceira maior cidade do território equatoriano e capital da província de Azuay, Cuenca, tem sido premiada por diversas instituições internacionais pelo desenvolvimento de projetos que elevam a qualidade de vida dos moradores e fomentam o turismo local. Pelos bons resultados obtidos nessa área, o destino foi escolhido pela Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF) como um dos modelos de boas práticas na gestão do patrimônio que irão subsidiar um plano local.

Cidade estratégica na promoção do país do qual faz parte, Cuenca foi reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1999, desde quando o governo municipal de Azuay investe na sensibilização dos moradores para a importância da preservação do Centro Histórico.

Como o apoio do Ministério do Turismo do Equador, a Fundação “El Barranco” desenvolveu o “Projeto de Revitalização Urbana”, vencedor de cinco prêmios internacionais, principalmente no ramo da arquitetura. O último reconhecimento foi em 2013, com o primeiro lugar no Prêmio Jean Paul L'Allier, concedido pela Organização das Cidades Patrimônio Mundial (OCPM).

O Projeto consiste na conservação dos pontos históricos com pequenas intervenções urbanas que melhoram a paisagem urbana, facilitam o desenvolvimento do comércio e a rotina da população.

Neste contexto, nos últimos nove anos, a Fundação investiu na revitalização de grandes mercados, de pontes que ligam o lado moderno ao centro histórico da cidade, na construção de praças de convivência, ciclovias e revisão da iluminação das vias públicas.

“Estamos revivendo e conservando nossa história, mas com projetos que são claramente de 2014. Recuperamos, por exemplo, fachadas de casarões antigos e integramos às obras elementos de modernidade que irão garantir a sustentabilidade do Projeto”, disse o arquiteto Santiago Vanegas, responsável pelas intervenções.

Segundo Santiago, as obras feitas em Cuenca são reconhecidas por prezarem pela sutileza nas alterações realizadas, baixo custo empregado e êxito na proposta de valorizar o potencial da cidade. “São soluções simples que causam grande impacto e estão transformando a cidade pouco a pouco”, avaliou.

O trabalho realizado até este ano será publicado em forma de livro. O lançamento será nesta quarta-feira (7) e contará com a presença de representantes da Secretaria de Turismo do Distrito Federal.

A experiência de Cuenca integra uma série de estudos realizados pela Setur-DF por meio do Acordo de Cooperação Técnica estabelecido em 2011 com a Unesco, que tem por objetivo promover a capital brasileira como sítio reconhecido como Patrimônio da Humanidade e estimular o turismo local por meio desta condição.