Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/06/13 às 19h20 - Atualizado em 27/06/13 às 19h26

“É um momento único para o Turismo”, diz ministro

COMPARTILHAR

Gastão Vieira se diz otimista com manifestações a garante que abriram espaço para o desenvolvimento do setor

O movimento pacífico que tomou conta das ruas brasileiras nas últimas semanas pode ser uma alavanca para o setor de Turismo se avaliado de forma estratégica. A análise é do ministro Gastão Vieira, que se disse otimista com relação ao momento pelo qual o país atravessa.

A declaração foi feita durante a 24ª Reunião Ordinária do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo (Fornatur), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Segundo o ministro, as reivindicações da população abriram espaço para pautas de interesse nacional que antes tinham difícil entrada no Congresso Nacional.

“É um momento importante para o Turismo alcançar aquela meta de colocar o setor na pauta, já que há uma abertura no Congresso. Nós do Turismo não podemos perder essa perspectiva. Vejo uma oportunidade forte para esta questão”, afirmou.

Gastão Vieira ressaltou ainda que, entre reivindicações apresentadas, não vê impedimentos para a realização de grandes eventos no país. “Uma coisa é a marca FIFA, outra coisa é a cara do Brasil. Essa é uma faceta nova do país, que ninguém conhecia. Porque ao mostrá-la ao mundo?”, questionou. “Porque não mostrar que somos um país onde as pessoas se manifestam livremente. Vejo crianças, jovens, famílias congregando em torno das pautas de reivindicação. Há 30 anos não tínhamos uma manifestação séria, agora temos”, disse.

O ministro ressaltou ainda que é preciso levar em consideração os benefícios que a Copa das Confederações e a Copa do Mundo trouxeram para as cidades-sede. “Esses eventos trouxeram investimentos importantes que vão ficar. São benefícios que não seriam conseguidos com a mesma rapidez em outra situação”, lembrou.

Nesta linha, Gastão anunciou que foi publicado ontem (27), o decreto que institui o PAC do Turismo. Segundo o ministro, o documento direciona R$ 680 milhões para investimentos no setor. A prioridade são os centros de convenções.

Em Brasília, o projeto irá financiar as obras de complemento do Ulysses Guimarães, onde está prevista a construção de área de alimentação e de exposição. “Quando começamos a trabalhar nisso, parecia algo impossível. Agora temos concretizado”, declarou.

Atendimento com excelência

Na oportunidade, o presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Flávio Dino, parabenizou as cidades-sede da Copa das Confederações pelo atendimento dispensado aos turistas que vieram para os jogos. “Foi um trabalho excelente de atendimento, distribuição de materiais e organização dos voluntários. Foi uma ação louvável”, elogiou.

O presidente comparou a entrada de turistas nas cidades durante o evento com o fluxo natural e voltou a falar sobre a competitividade em relação aos demais países. “Volto a bater na tecla da competitividade. Precisamos estar com produtos competitivos e com tarifas compatíveis com o mercado”, destacou.

Para auxiliar na divulgação dos destinos, Flávio Dino contou que, no último ano, o Brasil esteve presente em cerca de 200 eventos, entre feiras, workshops, press trips e outras ações nacionais e internacionais. Segundo o presidente da Embratur, a expectativa é que o trabalho seja reforçado com a criação de 13 Escritórios Brasileiros de Turismo (ETB's) no exterior, sendo três nos Estados Unidos, três na América do Sul, um na Ásia e dos demais na Europa.

“Estamos em fase final de licitação. Não faremos de qualquer jeito, mas, tendo empresas com qualificação adequada, vamos retomar este projeto ainda este ano”, contou.

Por enquanto, as ações de promoção dos destinos brasileiros são realizadas por meio das Embaixadas do Brasil no exterior. No último ano, foram destinados R$ 5 milhões para esse fim, segundo a Embratur.