Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/11/20 às 17h23 - Atualizado em 6/11/20 às 18h15

Setur-DF discute ações para apresentar Brasília como rota turística para os chineses

COMPARTILHAR

 

O Brasil e a China possuem relações diplomáticas desde o século 19, mas desde 2009, o gigante asiático assumiu o posto de maior parceiro comercial brasileiro, ocupando o primeiro lugar como destinatário das exportações brasileiras e também o primeiro lugar entre as nações que mais vendem para o mercado brasileiro. Só em 2019, de janeiro a outubro, nossas exportações para a China chegaram a US$ 51.53 bilhões, enquanto as importações daquele país atingiram US$ 30.07.

 

Esse protagonismo do Brasil com a maior economia do Brics reforça, definitivamente, a importância do país em conquistar também o mercado de viagens da China, que movimenta anualmente US$ 250 bilhões na economia mundial. Entretanto, dos 135 milhões de chineses que viajam pelo mundo todo ano, apenas cerca de 60 mil ainda escolhem o Brasil como destino. Desses, poucos ainda são os que visitam a capital federal. “É uma realidade que precisamos mudar. Dos cinco grandes países do mundo, o Brasil é o que recebe menos turistas, apenas 6,6 milhões viajantes em todo o mundo. Veja quanta diferença no impacto econômico podemos alcançar já conquistando 1% do turista chinês”, avaliou a secretária de Turismo do Distrito Federal, Vanessa Mendonça, durante reunião realizada nesta quarta-feira, 4/11, com a Presidente das Mulheres Empreendedoras do Brasil (MEB), Ana Paula Guedes, e os representares da Associação de Advogados e Amigos Das Relações Brasil – China (AABRACHIN), Aldenei Souza, Fernando Gu e Igor Soares.

 

O grupo discutiu as diferentes oportunidades para apresentar Brasília ao país asiático e atrair de vez turistas e empreendedores chineses, interessados em investir na região. “É um trabalho de mediação. Estamos com esse projeto de apresentar o Distrito Federal à China, tanto como atração turística, como compreender as diferentes necessidades do empresariado para auxiliar o governo de Xangai em investimentos aqui na Capital Federal. Para isso, precisamos selecionar diferentes projetos que existem no DF, buscar incentivos e a segurança jurídica para o empresário analisar e investir. Temos muita chance de sucesso, especialmente, pelo fato de eles terem como principais motivações o Turismo de Negócios e o Ecoturismo, dois segmentos que Brasília tem em grande potência, mas ainda muitos deles desconhecem”, explicou Igor Soares. “A visão que a maioria dos brasileiros tem da China ainda é de 20 anos atrás e isso também ocorre com os moradores de lá. Precisamos trocar mais informações entre os dois países, pois esse desconhecimento acaba sendo um temor. É o que chamamos de barreira invisível. E nossa associação tem essa função de contribuir, não só com a ponte jurídica, mas fazer com que essas ações rendem bons projetos de médio e longo prazo, com benefícios para ambas as partes. Nesse processo, compartilhar as ações que a Setur-DF está fazendo, divulgando as belezas de Brasília, é fundamental para atrair esse outro olhar”, concluiu Fernando Gu.