Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/05/20 às 16h31 - Atualizado em 30/05/20 às 16h40

Setur-DF, Mesa Brasil Sesc e FAARTE se unem para atender os artesãos em 10 RAs

COMPARTILHAR

Ação reforça apoio da secretaria ao artesanato de Brasília, que é uma das pautas prioritárias da Pasta

 

Foto Claudio Gerber-Setur-DF

 

A Secretaria de Turismo do DF entregou, neste sábado (30), 120 cestas básicas para artesãos que passam por dificuldades financeiras devido ao Covid-19. As cestas foram doadas pelo Mesa Brasil SESC à Federação das Associações de Artesãos do DF e Entorno – FAARTE. A Setur-DF, que possui uma coordenação voltada exclusivamente para o apoio ao artesanato e desenvolve ações ao longo de todo o ano, ficou responsável pela logística de distribuição dos alimentos. Associações de 10 regiões administrativas foram contempladas, entre elas a do Gama, Recanto das Emas, Taguatinga e São Sebastião. A ação complementa uma série de iniciativas em parceria, como o lançamento de linhas de microcrédito do SUPERA-DF para os artesãos; o estímulo ao uso de aplicativos e das plataformas virtuais para a comercialização de produtos artesanais; e a reabertura das lojas físicas do Artesanato de Brasília em shoppings da cidade.

 

Para a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, a iniciativa é um exemplo de solidariedade. “O mundo todo está passando por um momento que jamais imaginamos. Muitos setores foram afetados, mas nossos artesãos, de uma hora para a outra, ficaram impossibilitados de exercer sua profissão e prover o sustento de suas famílias. O momento pede união, solidariedade, e nós faremos todo o possível para amparar essas pessoas”, disse.

 

A presidente da Associação dos Artesãos de São Sebastião, Cláudia Souza, agradeceu a ação e contou como está a situação após a pandemia. “Foi de grande importância a entrega dessas cestas. Não estamos vendendo artesanato como antes. Algumas até se reinventaram costurando máscaras e estão conseguindo se manter. A plataforma criada pela Setur também está ajudando nas vendas on-line”.

 

A artesã Geisa Silva, de 25 anos, mora com os irmãos e o filho pequeno em São Sebastião, e trabalha exclusivamente com o artesanato desde 2016. Ela vende bonecos de crochê, chamados também de “amigurumi”. Ela conta que viu as encomendas caírem em quase 100% após a pandemia. “Além de não ter mais eventos e feiras para vender os produtos, as pessoas estão com receio de comprar do artesão. Eu hoje conto com o auxílio emergencial e essa ajuda com a cesta básica faz muita diferença e traz um grande alívio para a minha família”, afirma.

 

O presidente da Federação das Associações de Artesãos do DF e Entorno, Hebert Amorim, avalia que a ajuda da Setur viabiliza a entrega das cestas em tempo hábil. “A operacionalização da entre das cestas pela Setur é fundamental para conseguirmos que o alimento chegue logo para o artesão.   A parceria com tem sido muito salutar. Desde o início do governo, a gente se ajuda no intuito de valorizar o artesão e buscar o melhor espaço para eles. Precisamos de apoio e força para conseguir sair desse problema mais fortes e com novas possibilidades”, destacou.

 

Setur reforça apoio durante a pandemia

 

Desde o início da atual gestão, em janeiro de 2019, a Setur-DF colocou o desenvolvimento do artesanato como uma das pautas prioritárias de governo. O Em 2019, o setor movimentou R$ 871 mil em todo o DF, que possui 11 mil profissionais cadastrados. O artesanato está presente em todos os eventos realizados ou apoiados pela secretaria.

 

Diante da pandemia do coronavírus e dos impactos gerados na vida financeira desses trabalhadores, a Setur-DF buscou novas formas de apoiar o setor. O projeto Artesanato Virtual de Brasília foi criado pela secretaria em parceria com a Federação das Associações de Artesanato do DF para garantir renda para as famílias que têm o artesanato como meio de vida. A loja virtual permite que os artesãos divulguem e comercializem seus trabalhos, sem qualquer custo. As vendas têm sido diárias e as entregas dos produtos são feitas semanalmente diretamente na casa dos clientes.

 

Na quarta-feira (28), com a reabertura dos shoppings, as Lojas do Artesanato do Alameda e do Pátio Brasil voltaram às atividades. As duas unidades fazem parte do projeto “Rota do Artesanato”, da Setur. Todos os produtos vendidos nessas lojas são de artistas do DF, que são selecionados por meio de editais de chamamento público para participar. Os estabelecimentos estavam fechados desde 18 de março, e a retomada das atividades está sendo feita com todo cuidado e segurança para garantir a saúde de colaboradores e clientes. No momento, as lojas operam em horário reduzido, com escalas alternadas de trabalho e testagem (do Covid-19) para os funcionários a cada 15 dias. As vendas acumuladas das duas lojas somaram R$ 288 mil desde a inauguração.

 

Outras ações efetivas para amparar os artesãos durante a crise atual foram o termo de cooperação entre a Setur-DF e o BRB, que criou linhas de crédito com condições especiais de pagamento, e a emissão da Carteira do Artesão pelo Whatsapp. O artesanato é uma grande potência econômica e gera uma movimentação financeira de R$ 50 bilhões anualmente, em todo o país.