Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/08/21 às 11h29 - Atualizado em 17/08/21 às 11h33

Choro será case turístico em Brasília

COMPARTILHAR

Gênero musical que imortalizou nomes como Valdir Azevedo vai ganhar rota específica na capital. Maestro Reco do Bandolim anuncia parceria com a Setur-DF e celebra a conquista ao lado de Toquinho

 

Palco do Projeto Vibrar com o maestro e presidente do Clube do Choro, Henrique Filho, o Reco do Bandolim. Foto: Renato Braga/Setur-DF

 

 

O choro ou chorinho é um dos mais ricos gêneros musicais praticados no Brasil. Há muito tempo é motivo de admiração e atração turística para fãs e músicos do mundo todo. Por meio do choro, o Brasil é exportado para os quatro cantos do Planeta. O Clube do Choro de Brasília já constitui um ponto turístico na capital, mas agora passará a ser uma Rota Turística, com o mapeamento de todos os locais onde essa música maravilhosa é executada e apresentada em Brasília, além de ser aparelhada para melhor atender o público local e o visitante.

 

O anúncio foi feito na noite deste domingo, no palco do Projeto Vibrar, pelo maestro e presidente do Clube do Choro, Henrique Filho, o Reco do Bandolim, ao lado da secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, que referendou a parceria na presença de Toquinho.

 

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, anuncia a criação da Rota do Choro, durante o Projeto Vibrar . Foto: Renato Braga/Setur-DF

 

“A Rota do Choro de Brasília, a exemplo do que acabamos de fazer com o rock, vai proporcionar ao público um acesso fácil aos principais locais dedicados à essa música no DF”, afirmou a secretária Vanessa Mendonça. “Brasília também será a Capital do Choro. Porque aqui na nossa cidade estiveram e estão os maiores nomes desta música brasileira reconhecida mundialmente”, completou a Secretária de Turismo do DF.

 

“Isso é muito bom, estamos vendo que as coisas começam a voltar ao normal. Teremos um ótimo recomeço pela música. Precisamos sim ir retomando nossas vidas, nossa música, que é turística, atrai os olhares do mundo inteiro”, disse Toquinho.

 

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, e o músico Toquinho durante o Projeto Vibrar. Foto: Renato Braga/Setur-DF

 

Vanessa Mendonça parabenizou os empreendedores do Projeto Vibrar, que rigidamente dentro do protocolo de prevenção à covid-19, estão oferecendo uma programação no estilo lounge, com distanciamento e segurança, a um público inclusive de fora do DF. “Mais uma vez esses jovens abraçam a ideia do novo olhar sobre o turismo que estamos promovendo aqui em Brasília, por determinação do governador Ibaneis Rocha e por um trabalho diuturno da Setur-DF”, disse a Secretária.

 

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, e os músicos Reco do Bandolim e Toquinho, durante o Projeto Vibrar . Foto: Renato Braga/Setur-DF

 

“Você olha nos olhos das pessoas e vê que elas estão precisando, de alguma forma, voltar às suas vidas normais e a consumir a cultura”, observou Reco do Bandolim. Para ele, a Setur-DF vem assumindo, na verdade, “não apenas o turismo, mas também a cultura de Brasília”, pontuou o instrumentista. “A secretária Vanessa Mendonça está presente o tempo todo. Agora mesmo ela fez a Rota do Rock  e já disse que vai fazer também a Rota do Choro. É uma pessoa ativa, inteligente, sensível, que ama a nossa cidade. Isso fica muito claro nas ações dela à frente da Secretaria de Turismo e nas falas que ela pronuncia”, afirmou Reco.

 

Segundo ele, todos os produtores culturais envolvidos no Projeto Vibrar informaram que a promoção só foi efetivada graças ao esforço da Secretaria de Turismo do DF. “Eles disseram que dependeram fundamentalmente da Vanessa e que ela deu total apoio para que acontecesse uma noite tão bonita como essa. Todo mundo alegre, precisando sorrir, ouvir uma música boa…”, pontuou Reco do Bandolim.

 

O músico Reco do Bandolim e banda se apresentam no Projeto Vibrar. Foto: Renato Braga/Setur-DF

 

“Veja, num momento como este, em que perdemos o Ministério da Cultura, ficar sem um filme, sem um teatro, sem uma música, é impossível. São ações assim que trazem pra nós a vida”, finalizou o presidente do Clube do Choro de Brasília.